MANIFESTO
SLOW LIVING
Foto por Silvia Vasconcellos

Das gratificantes percepções, vivências e aprendizados sobre a cultura slow chegamos ao Manifesto Slow Living. Em sua base, três buscas significativas e conectadas entre si, possibilidades para um bem viver, para um trabalho que realiza dentro e fora e para trajetórias pessoais e coletivas que abrangem seus benefícios para o todo: Equilíbrio, Escolhas Conscientes, Inovar/Evoluir. Esperamos que possa ser, de alguma maneira, útil também para seus próprios olhares e caminhos!

. Em Equilíbrio, sentimos o Slow Living quando nos dedicamos ao desacelerar e em desviar nosso foco à calma que, naturalmente, habita dentro de nós. Mais momentos de quietude e silêncio, reflexões construtivas, percepções internas e pessoais, nossa essência mais plena, autoconhecimento, desapego dos excessos.

A paz que sentimos em um contato com o ar mais puro, com os animais, com as pessoas e atividades que nos inspiram serenidade e consciência. Ler um livro, caminhar sem pressa, fazer uma coisa por vez e vários outros caminhos que nos reaproximam do respeito ao tempo natural e nos aliviam da velocidade demandada pelo mundo atual. Mesmo que aos poucos, mesmo que quando possível.

. Ao priorizarmos Escolhas Conscientes, reafirmamos a capacidade que temos para criar mudanças positivas através de nossas decisões de cada dia, com relação ao que criamos e ao que consumimos: produtos, serviços, informações, ambientes… Incluindo o repensar também em relação ao volume desse consumo. Cada apoio a quem faz diferente e à nós mesmos, quando queremos o melhor, manifesta-se com uma força muito maior do que podemos assimilar!

. E com base em InovarEvoluir, porque é para frente que caminhamos, mesmo que inspirados em resgatar valores, saberes e sensações de tempos que já se foram – além de os ressignificarmos e também de criarmos novos! É com a expansão da tecnologia, do acesso e da criatividade que temos hoje que conseguimos e continuaremos a alcançar evoluções sustentáveis, colaborativas e ideais para esse novo mundo, que já se encontra em transição e que construímos sempre no agora.

Por Bruna Miranda. O Manifesto foi publicado na edição Dois do Guia Slow Living.