Quatro dicas essenciais para enfraquecer o hábito de reclamar

Por Bruna Miranda

Publicado em , | Tags : , , , , , , ,

* Por Alan Corrêa

Conta-se a história de um aprendiz de monge que, quando entrou para o mosteiro, recebeu como uma das regras o silêncio absoluto por três anos seguidos. Após esse tempo, ele poderia falar duas palavras com seu mestre e depois esperar longos três anos novamente para ter a oportunidade de dizer algo de novo e ser ouvido.

Quando passado os primeiros três anos ele entra para o confessionário com o direito de dizer apenas duas palavras, e então ele diz: “Cama dura”. Fica um silêncio na sala, o mestre não diz nada e ele se levanta e vai embora. Passados mais três anos lá está o aprendiz de monge novamente, e então dessa vez ele diz: “comida ruim”. O silêncio segue e o aprendiz deixa a sala olhando para trás.

Passados mais três anos ele não aguenta mais o lugar e todo mundo e então, no confessionário, diz suas duas últimas palavras: “Eu desisto”. Nesse momento, então, o mestre se pronuncia, respondendo: “Você reclama muito”.

Ninguém consegue ficar livre de não reclamar de nada, e existem reclamações que são verdadeiros desabafos necessários para se seguir em frente. Porém, o perigo da reclamação é quando a mesma se torna parte de sua identidade, quando a reclamação está inserida no seu repertório comportamental.

É muito ruim ter por perto pessoas que vivem reclamando, o ambiente fica desprovido de harmonia, o lar vira casa, o trabalho vira fardo e a companhia, seja ela qual for, se torna extremamente desagradável.

Eu sei de gente assim, que faz da reclamação a sua forma de comunicação. São pessoas que só conseguem puxar um assunto ou desenvolver uma conversa pelo viés da queixa.

Qual o gatilho da sua reclamação? Aquilo que te faz reclamar?

Tem reclamações que não foram acionadas por um gatilho da situação em a pessoa está, mas sim por um gatilho do coração. Você percebe que a reclamação não está enraizada nas duras circunstâncias que estão enfrentando diante da vida, mas no coração. E é aqui que mora o perigo.

Recentemente saiu uma matéria no jornal dizendo que o papa Francisco colocou um aviso na porta de seu quarto na casa de Santa Marta (o Vaticano) que dizia: “É proibido reclamar”.

A reclamação para muitas pessoas é algo que infelizmente já acontece de forma natural, então lembrar que é proibido reclamar pode ajudar a amenizar esse hábito.

Mas o que fazer para não reclamar ou reclamar menos se a primeira opção não é tangível?

1º – Você tem que parar de usar o passado para comparar com o presente. Muitas reclamações sempre começam com uma ponte que está no passado. Por exemplo: “Antes de eu me casar”, “antes de meus filhos serem adolescentes”, “antes da crise”, “antes de vir morar aqui”. De forma alguma use o passado para desvalorizar o seu momento presente.

2º – Saiba esperar o desfecho da história, muitas reclamações acontecem antes do tempo. Vivemos apressadamente e queremos que as coisas aconteçam sempre no agora e, quando não acontecem, reclamamos. Saber esperar ajuda a reclamar menos.

3° – Tenha isso como meta. O escritor americano Will Bowen, que idealiza uma campanha mundial incentivando as pessoas a pararem de reclamar, propõe em seu livro que fiquemos 21 dias consecutivos sem lamentações.

4° – A reclamação é capaz de jogar ainda mais cinza no colorido do nosso dia. Experimente resolver um problema adotando como primeira coisa a ser feita parar de reclamar dele e perceba que, mesmo que o problema ainda não tenha sido solucionado, a vida passou a ser mais saborosa.

 

* Alan vive em São Paulo, no grande ABC. É casado e pai de duas crianças e gosta de poesia, trilhas e cachoeiras.

Compartilhe esta história

Sobre Bruna Miranda

Bruna é empreendedora e jornalista, idealizadora da plataforma Review e da revista impressa Guia Slow Living, e está experimentando uma vida nômade pelo Brasil. É movida pelo que é atemporal ...

Publicações Relacionadas