Review na Estrada | Receptividade e Aconchego no Bangalô dos Sonhos | Praia de Pontal de Coruripe/AL

Por Bruna e Ismael

Publicado em , | Tags : , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Despedida de Aracaju. Essa é a lei da atração. Tivemos momentos tão calorosos por lá que a continuidade dos nossos dias não poderia tomar outro rumo que não o de um lugar tão carinhoso e receptivo. Ainda na capital sergipana, pesquisando online por casas compartilhadas que mais se sintonizam com a gente, encontramos pelo Alugue Temporada um bangalô lindo na Praia do Pontal de Coruripe, uma própria Tiny House (um dos temas que abordamos no Guia Slow Living Três).

Lindinha, em um tamanho essencial pra nós dois e os cachorros, prática e com cara de casa mesmo, com detalhes bem cuidados, uma decoração simples e aconchegante.

Engraçado como temos percebido essa diferença, entre essas casas onde realmente vivemos como se fôssemos um morador da cidade (a maioria, ainda bem), e outras onde a pessoa simplesmente coloca os móveis mais básicos e divulga pra alugar, com foco puramente comercial. E fica aquela coisa fria, como se estivéssemos em um apartamento modelo, só que sem a decoração, e com a carência de um cuidado, de detalhes, de vida.

Voltando ao começo: estivemos em contato com o anfitrião Pedro Pacca, um engenheiro que escolheu para seus novos momentos de vida esse pequeno paraíso a 90 km da capital alagoana. E seu retorno não poderia não ser o mais gentil: um email em que ele compartilhou conosco sobre seu interesse no Review, sobre suas longas viagens pela América do Sul (e tem mais uma a caminho, que já desejamos tantas alegrias e boas descobertas!) e até sobre a possibilidade de Claudinha e Varlô se entrosarem com os seus dois cachorrinhos. Uma primeira impressão, uma sintonia dessas, e já sabíamos que encontraríamos mais do que um simples anfitrião.

Mais algumas conversas e chega o dia de nossa ida pro seu bangalô. Partimos com informações completas, compartilhadas por ele, sobre o trajeto, a estrada, a travessia de balsa, as cidades das margens sergipanas e alagoanas… E foi uma ida especial, com direito a Rio São Francisco e arco íris no fim da tarde.

Chegamos ao Pontal dos Sonhos no começo da noite recepcionados pelo Zé Wilson, um senhorzinho nativo dali, tãaaao fofo e prestativo. E logo conhecemos o Pedro e sua esposa, a Gracinha, outra querida, e seus dois Dachshund, Maria Bonita e Virgulino (aqueles da propaganda da Cofap, lembra? Fofuras!). E como compartilhamos boas conversas, incluindo os seus vizinhos, também da família, e mais boas dicas, muito bem vindas, sobre a região e Maceió. E o irmão do Pedro, Henrique Pacca, morou por muitos anos em BH, com sua família, o que nos deixou mais em casa ainda.

Virgulino fotogênico!

E aí a primeira surpresa: o espaço é totalmente cercado, onde poderíamos deixar os cachorros livres e seguros por toda a área externa do bangalô, que reúne garagem para alguns carros e jardins lindos e bem cuidados (ideal pra produzirmos fotos!) e um quiosque perfeito pra trabalhar – com eletricidade e iluminação para a noite, inclusive.

O escritório que mais nos deixa saudades!

Outra surpresa: um “lounge bar” particular, um espaço de convivência delicioso, aberto, com cobertura de palha e decoração “rústica/viajante/afetuosa”, rs, que acompanha todos os ambientes dali. Outro lugar que lembramos com carinho pelas noites de conversa à luz da lua e estrelas, bons papos e trocas, bons vinhos e cervejas artesanais locais.

Nosso singelo caminho do bangalô pro lounge

Nosso casal anfitrião têm o seu próprio espaço lá, claro, e alugam, além do bangalô, uma suíte com banheira de hidromassagem e uma área externa com redes e sofás (que foi onde nossos amigos e companheiros de Guia Slow, Anna e Arthur, da Casa Ataré e Experimentoo Beers, ficaram, ao nos visitar por aqui).

 

Frases e nomes afetuosos para os cantinhos não faltam por aqui

Anna e Arthur, que alegria receber vocês!

E subindo um pouco mais, a casa principal – também disponível para ser desfrutada! – que tem como quintal o maravilhoso mar alagoano, de cores únicas esverdeadas, paredão de corais e piscinas naturais. Caminho para a praia que é compartilhado com todos os ambientes do espaço, do bangalô às suítes, e com outro quiosque por lá, excelente para mais conversas e relax à beira mar.

Caminho da praia! Que vista!

Todo o espaço apresentado! (E aqui você lê também sobre a vila e os arredores da casa, a pracinha da caravela e do farol, a associação das artesãs, sobre a cidadezinha de Coruripe, aqui pertinho e com mais estrutura de comércio…).

Seguimos com o nosso bangalô, em mais detalhes.

Relax

No outro cantinho de trabalho da casa

Em cada casa Claudinha e Varlô elegem um canto, aqui eles gostaram de ficar embaixo da cama, costume que nunca tiveram, rs

Ele é super limpo e organizado, mobiliado com tudo o que se pode precisar, incluindo livros, velas para um clima a mais naquela lua cheia que pegamos… Tem uma varandinha em que você pode escolher entre a mesa e cadeiras ou tirar a rede da gaveta e por lá se balançar. A cozinha é bem equipada, com esse balcão onde compartilhamos bons cafés, chás e receitas, e entre o ventilador ou o ar condicionado, a escolha é sua. E tem também outra coisa que eu adoro, aparentemente simples, mas que não é tão fácil de achar nas casas compartilhadas: abajur, luminárias, luz indireta! Ideal para duas pessoas, o bangalô tem mais uma cama/sofá que recebe confortavelmente mais uma ou até duas crianças.

A única questão que pra gente pegou um pouco é a internet na região, que tem um 3G (Tim) que funcionava melhor apenas no restaurante da praia, onde acabamos indo com uma certa frequência. O wifi do bangalô, por ser via rádio, funciona, mas de maneira lenta e inconstante. O Pedro nos disse que em breve a internet a cabo chega por lá e aí, maravilha! (UPDATE, JÁ! A boa notícia é que foi instalada a internet a cabo e agora já foi ajustada a velocidade de 2 pra 4 Mbs, com muito mais estabilidade).

Resumindo, o que mais podemos precisar para dias de tranquilidade, boas conversas e passeios pela região? Já recomendamos a visita/caminhada de 9km (ida e volta, indo cedo com a maré baixa) à praia vizinha, da Lagoa do Pau. Dica do Pedro, lá tem mais piscinas naturais e uma paisagem, ampla e aberta, impressionante.

No nosso caso, somamos a isso boas horas de trabalho e organização dos nossos dias e coisas. Tivemos momentos deliciosos no Pontal dos Sonhos! Pra descansar, pra ficar em dia com os afazeres, pra compartilhar experiências e sabores. Pra cozinhar, pra ler e escrever, gravar vídeos pro nosso youtube e instagram, pra reconhecer mais uma receptividade tão especial, pra gente e pra proposta do que fazemos com o Review e o Guia Slow. Sentir-se acolhido e apoiado, fazer novos amigos, ao mesmo tempo em que conhecemos tantos lugares deslumbrantes, nem sabemos descrever pra vocês essa sensação que nos aquece o peito, a cada dia dessa nova vida que escolhemos.

Muito obrigado, Pedro e Gracinha, Zé Wilson, Henrique, Vânia e Adriana, Maria Bonita e Virgulino! Nossa vida e nosso trabalho ganharam uma cor especial com a companhia, a inspiração e a generosidade de vocês!

– – -> Para vocês também terem o privilégio de se hospedar com eles e conhecer essa região lindíssima e agradável, saiba mais e faça sua reserva!

Recomendamos totalmente! E já ficamos felizes em saber que mais pessoas continuam a ter momentos tão bons quanto a gente teve.

Claro que o Guia Slow Living esteve por lá e continua também! Tudo a ver com o que o bangalô nos inspira… Essa caixinha de conchas lindas e de todos os tipos, tamanhos, cores e formatos vem das nossas caminhadas pela Praia de Abaís, no Sergipe, somadas à coleção que ganhamos da Damiana, nossa anfitriã por lá. Um presente especial que acreditamos ter tudo a ver com o bangalô, e por isso deixamos essa energia circular. Acreditamos que a beleza e a funcionalidade desse presente se sintonizou tanto com o lugar que a memória do gesto é o que nos importa, e essa soma de lugares especiais nos encanta <3

Da janela da frente do bangalô

Janela lateral

Tem lugar mais cuidadoso?

Zé Wilson, que sorte a do Pedro e Gracinha e a nossa, em ter te conhecido e nos encantado com sua bondade e simplicidade! Com o bangalô ao fundo.

Voltando um pouco, durante a travessia do Sergipe para Alagoas, avistando Penedo e sua fachada histórica

Na margem do Rio São Francisco <3 Ainda no lado do Sergipe, na cidadezinha chamada Neópolis, terra do frevo sergipano

Compartilhe esta história

Sobre Bruna e Ismael

Incentivamos pessoas e empresas a transformarem o presente e futuro com o Slow - Living, Empreendedorismo, Marketing, Trends.

Publicações Relacionadas