Reutilizar, criar e transformar com o upcycling

Por Bruna Miranda

Publicado em , , , | Tags : , , , , , , ,

Anos atrás, durante a adolescência, as roupas já significavam algo especial para mim, no sentido de manifestar a criatividade. Fui desenvolvendo um gosto por comprar e usar peças que tivessem “um quê” de diferente e por conhecer novidades nas revistas. Com as amigas, gostávamos de mostrar umas às outras coisas novas e sempre aconteciam empréstimos, trocas, doávamos peças umas para as outras. Dessas garimpadas, era onde mais gostava de colocar a imaginação para funcionar, seja cortando um pouco aqui, tirando um detalhe ali e até tingindo com aquelas tintas de papelaria. As que eu realmente não encontrava um jeito de transformar iam para doação. E você com certeza também já deve ter passado por algo do tipo, certo? Em anos remotos ou no agora, transformando um vestido longo em uma saia e blusa, uma camisa larga em um modelo mais acinturado, uma calça em um short e por aí vai.

A moda, com todas as suas possibilidades, nos incentiva e muito exercermos a criatividade, inclusive através da reutilização. O que, ainda por cima, é excelente no aspecto do consumo consciente! Afinal, nada é mais sustentável do que aumentar a vida útil de uma roupa que já existe. E quando reaproveitamos algo que está fora de uso e seria descartado, transformando em outra peça que gostamos e iremos usar de verdade (às vezes até mais do que na “versão original”), isso é o que chamamos de upcycling, termo que vem ganhando cada vez mais força também na área da moda.

Esse termo foi usado por William McDonough e Michael Braungart no livro “Do Berço ao Berço – Refazendo o Modo Como Fazemos Coisas”, de 2002, que propõe alternativas inteligentes para a humanidade lidar com a produção e o consumo, acreditando em um redesign inteligente de tudo como meio de preservar o planeta. Eles afirmam que o objetivo do upcycling é esse, evitar o desperdício de materiais que ainda têm utilidade sem ter que criar novas matérias primas, diminuindo assim o consumo de energia, a poluição do ar e da água e emissões de gases de efeito estufa. Outras vantagens de se reutilizar é que diminuímos a quantidade de lixo que vai para os aterros ou que acabariam descartados de um jeito incorreto pelas ruas, nos rios… A diferença para a reciclagem é que o material a ser reaproveitado não precisa ser desfeito para renascer – como por exemplo, a latinha de alumínio, que precisa ser derretida para dar origem a uma nova. O upcycling é um reutilização criativa, com qualidade, de materiais que merecem uma segunda chance.

Ou seja, upcycling é um termo novo para o reaproveitar. É o ato de pegar algo que já não está em uso e dar-lhe segunda vida e nova função, onde o produto acabado muitas vezes torna-se mais prático, valioso e bonito do que era antes”.

Voltando às roupas, além de transformar peças que já existem, você pode praticar o upcyling reutilizando os tecidos que sobraram de uma produção e fazer uma nova peça, que tal? Experimente treinar o olhar em roupas que você não usaria ou usa mais mas que gosta da estampa ou do toque do tecido. Quem sabe dali não sai algo novo, pensado por você? Brechós, bazares e o nosso próprio guarda roupa são excelentes lugares para enriquecer esse hábito. Além de que, assim, podemos deixar de lado o antigo pensamento de que reaproveitar tem a ver com produtos com estética e/ou qualidade inferiores. Garimpar e transformar significam muitos achados somados à sua identidade, menos investimento em materiais novos e, o melhor de tudo, o planeta agradece e você inspira muita gente a também seguir nesse caminho da moda consciente, slow, que nós já sabemos que veio para ficar.

Marcas para se inspirar:

Dilim
Reformation
Insecta Shoes
Think Blue
ReRoupa

– Texto para o curso de costura (foto do topo) da Mariane Oliveira, que é também idealizadora da marca de bolsas e acessórios Dilim (listada acima), que tem como base o upcycling.

Compartilhe esta história

Sobre Bruna Miranda

Jornalista e escritora, se inspira na busca por um viver mais consciente e significativo e é idealizadora do Review e da revista Guia Slow Living. Percebe o slow como ...

Publicações Relacionadas