O Fashion Revolution Day e outras maneiras de reutilizar roupas e tecidos

Por Bruna Miranda

Publicado em , | Tags : , , , , , , , , , ,

Abril é o mês que marca mais um Fashion Revolution Day, agora em sua quarta edição e novamente com a celebração estendida para uma semana. Para quem não conhece a campanha, em 24 de abril de 2013 aconteceu, em Bangladesh, o colapso do edifício Rana Plaza, onde mais de 1.200 trabalhadores morreram e outros 2.500 ficaram feridos. Os proprietários das fábricas de roupas – que funcionavam de maneira irregular no prédio, produzindo peças para todo o mundo – ignoraram as rachaduras nas paredes percebidas no dia anterior da tragédia. Nos escombros, etiquetas de marcas como Mango, Benetton, Primark, Walmart, e várias outras que terceirizam a sua produção nesses locais em busca da mão de obra absurdamente barata, custe a quem custar.

Compensando o motivo da data, comemoramos o enorme avanço do tema em todo o planeta, através dos eventos e outras ações de conscientização e vindo também dos próprios consumidores, que podem solicitar cada vez mais informações sobre como e por quem nossas roupas são produzidas. Às marcas, manifesta-se cada vez mais consistentemente a necessidade (já que precisa reinvidicar, para a grande maioria) do cuidado e o respeito com a vida de quem produz suas peças, inclusive com a transparência em informar a quem compra os detalhes de sua produção.

Mais uma vez serão inúmeros os países e as cidades pelo Brasil e pelo mundo fortalecendo os temas que envolvem uma cadeia mais justa e menos impactante ao meio ambiente, somando também o que diz respeito à alienação cultural envolvida na área da moda. As questões de efemeridade e consumo excessivo e impulsivo que são ditadas pela indústria, mídia e blogueiras vai sim perdendo espaço para a consciência de cada um em adquirir o que foi produzido de maneira respeitosa a todos e a tudo, incluindo a nós mesmos e nosso poder de compra, nossa identidade e os benefícios do menos e melhor.

Acompanhe na página do Fashion Revolution Brasil e participe do evento mais próximo!

Aproveitando o tema, listei aqui algumas sugestões interessantes para reutilizarmos os tecidos das roupas (ou lenços) que não usamos mais. Se não der para levar para um brechó ou bazar, transformar em outra peça ou doar para alguém, já sabemos que simplesmente jogar no lixo é uma péssima escolha, pois os tecidos normalmente demoram anos para se decompor nos aterros e a reciclagem de têxteis ainda é algo incipiente no Brasil. Então vale aproveitar cada cor, estampa e textura para:

– Utilizar como capa para cadernos, livros e almofadas. Ficam personalizados e bem protegidos.

– Beleza e praticidade, aproveitando o tecido das roupas para criar faixas e prendedores de cabelo e até mesmo para remover maquiagem, se forem macios.

– Cobrir paredes ao invés do papel, ou ainda uma faixa menor que serve tanto para decorar e proteger quanto para apoiar fotos, lembretes, acessórios, flores… (aqui o crochê entra perfeitamente bem).

– Embrulhos de presentes de um jeito muito mais bonito e cuidadoso e para carregar frutas e marmitas na bolsa (ou até para comprar no mercado), substituindo o uso de mais papel e plástico.

– Criar uma alça para câmeras, resistente e personalizada.

– Conhece mais alguma maneira útil de reutilizar? Compartilhe nos comentários!

Compartilhe esta história

Sobre Bruna Miranda

Bruna é empreendedora e jornalista, idealizadora da plataforma Review e da revista impressa Guia Slow Living, e está experimentando uma vida nômade pelo Brasil. É movida pelo que é atemporal ...

Publicações Relacionadas