Oito bibliotecas inteligentes que chegaram para mudar nossa relação com o verbo Ter

Por Bruna Miranda

Publicado em , , , , | Tags : , , , , , , ,

Vamos lá, tem coisa mais genial do que as bibliotecas de roupas que têm começado a surgir pelo mundo? (Leia aqui nosso post sobre a Lena, que fica na Holanda, e veja também sobre a Lucid Bag, que funciona online no Brasil, e a House of Bubbles, roupateca que abriu há pouco em SP e também chega com uma proposta muito bacana).

Comecei pelas roupas por ter sido um negócio inovador, dentro do tradicional formato de biblioteca, mais falado nos últimos meses. Até então, a ideia de um aluguel de roupas só tinha sido trabalhada (pelo menos eu só tinha visto) com as roupas de festa, bolsas e outros acessórios. Válidas também, claro, mas são propostas de pouco uso, para situações esporádicas. Ou ainda, como já também vi alguns exemplos, com o foco em usar por uma noite ou situação pecas de marcas caríssimas que não teríamos alcance se não fosse por esse aluguel. Já essas Bibliotecas que citamos acima nos trazem o acesso a roupas e acessórios para diversas ocasiões, para o dia a dia, de marcas e estilos bem abrangentes. Experimentar a emoção de uma roupa nova com menos impacto ambiental e financeiro! Outra ideia genial do tipo é a biblioteca de roupas para maternidade que fica em Oxfordshire, no Reino Unido. Já que as grávidas vão usar as roupas por tempo limitado, essa proposta é de uma grande valia.

Afinal, não custa lembrar que pesquisas na Inglaterra nos mostram que cerca de 30% das roupas penduradas no guarda-roupas das pessoas não foram usadas por mais de um ano. E que o custo dessas peças paradas é de cerca de £ 30 bilhões, e ainda cerca de 350.000 toneladas de roupas usadas vão para os aterros no Reino Unido a cada ano. E a gente sabe que pelo resto do mundo, aqui no Brasil inclusive, o desperdício não é muito diferente.

E o mais legal dessa história toda é que o conceito de Biblioteca já se difundiu em outras áreas também, além da moda e, claro, dos tradicionais livros. Em serviços do tipo, o Netflix já faz parte das nossas vidas, e o itunes, o spotify. Empréstimos por taxas mais acessíveis no lugar da posse total (e única) de bens. Consumo colaborativo.

Confira agora essas oito bibliotecas alternativas, listadas pelo site Collectively, que deixam claro que há um grande mercado desse tipo se desenvolvendo pelo mundo. A Biblioteca 2.0! E já estamos na torcida para que os empreendedores/inovadores fiquem de olho (e mão na massa) com esse tipo de negócios.

1 – Biblioteca de Ferramentas

A Edimburgo Tool Library é a primeira biblioteca de ferramentas no Reino Unido, promovendo a partilha como uma forma de reduzir o nosso impacto ambiental. Existem ferramentas para bricolagem, jardinagem, decoração e reparo de máquinas. Com isso, não há a necessidade de possuir esses itens em casa. Afinal, sejamos honestos, quantas vezes por ano você realmente usa um martelo, uma furadeira? Possuir um kit de ferramentas completo não é uma necessidade, a menos que você seja um marceneiro ou um carpinteiro. Então uma biblioteca de ferramentas é uma solução brilhante para o resto de nós. Elas estão lá disponíveis sempre que você precisar e com uma variedade tão grande que é bem provável que seus projetos de DIY (faça você mesmo) melhorem!

2 – Bibliotecas de Cozinha

Lembra de quando você comprou um espremedor ou aquele utensílio de mil e uma utilidades que parecia magnífico na propaganda da tv? Em grande parte dos casos, essa é uma compra em que o produto fica parado armário ou num canto qualquer da cozinha, depois de utilizado poucas vezes. Porque depois de usado pelas primeiras vezes caiu a empolgação e veio a percepção de que lavar todas aquelas peças levou mais um bom tempo e paciência. Mas ainda assim, claro, cozinhar e se aprofundar nessa área é uma delícia, principalmente quando a gente percebe o quão satisfatório são os encontros gastronômicos em casa, fazendo receitas novas, resgatando receitas antigas da avó, cozinhando com alguns ingredientes de nossa própria horta e por aí vai. E a Toronto Kitchen Library oferece uma extensa gama de utensílios, alguns bem caros, e vários deles raramente usados em casa quando comprados. Esse é um modelo de biblioteca em que seus livros de culinária, vídeos no youtube, programas do GNT e o seu paladar agradeceriam e muito.

3 – Bibliotecas de Bicicletas

Muito felizmente, as bicicletas voltaram a ter o seu momento em vários lugares do mundo, o Brasil incluído. E aí chegaram os excelentes Bike Cafés e temos também alguns espaços de aluguel de bicicletas (como as que existem na Pampulha para voltinhas na Lagoa nas manhãs de sábado e domingo e as bicicletas compartilhadas do Itaú). Complementar a isso, uma Biblioteca de Bicicletas como a Bike Library, em Yorkshire, na Inglaterra, permite que você as alugue por um período maior do que as horas calculadas ali no aplicativo, como por todo o fim de semana, por exemplo. Porque ter uma bicicleta é maravilhoso mas elas não são necessariamente baratas e fáceis, para todos, para guardar em casa e usar para ir ao trabalho, passear, se exercitar ou ainda resolver outras coisas do dia a dia.

4 – Bibliotecas de Sementes

Exato, uma biblioteca de sementes, a Seed Library! Ainda de acordo com o site, elas estão surgindo em todo o mundo, com o objetivo de proporcionar acesso livre e fácil de sementes para que o maior número possível de pessoas possa cultivar seu próprio alimento (e livre de agrotóxicos). Através do aumento da sensibilização, educação e manuntenção de comunidades, as bibliotecas de sementes promovem a sustentabilidade e incentivam mais pessoas a cultivar plantas nativas e sazonais. Esses espaços emprestam as sementes para as pessoas, que então as cultivam para crescer frutas ou legumes. As sementes maduras dessas novas plantas podem então ser “devolvidas” para a biblioteca de sementes de modo que as opções continuem a crescer. Uma atividade que têm crescido no Canadá, Estados Unidos e outros locais pelo mundo. Eu acrescento aqui a importância de um espaço como esse para além da conservação de nossa biodiversidade e para a horta em casa. Com o cada vez maior controle do agronegócio pelas sementes e também pela complicada questão dos GMOs (organismos geneticamente modificados), vejo uma Biblioteca de Sementes com uma importância muito superior à já maravilhosa oportunidade de nos ajudar a plantar nosso próprio alimento (claro que cada pessoa em sua devida condição e proporção).

5 –  Biblioteca de Esportes

Para aprender a jogar ou retomar os treinos de um antigo esporte! Qualquer pessoa, famílias e equipes da comunidade podem pegar emprestado equipamentos esportivos. Essa biblioteca chegou pensando tanto nos jogadores esporádicos, para não terem que arcar com altos custos de alguns itens, quanto nas crianças e nos grupos que podem não ter fundos suficientes para pagar por todo equipamento necessário para jogar – e isso não deve impedí-los de se divertir e se exercitar. Estão disponíveis bolas, bastões, redes, equipamentos de atletismo e muito mais. No momento são existentes na Inglaterra, Austrália e Canadá.

6 – Biblioteca de Perucas

Com o alto valor das perucas, essas bibliotecas permitem que as pessoas aluguem essas peças por apenas uma noite, para uma ocasião especial, para uma mudança temporária de visual, para participar de uma peça de teatro, ou para uso diário, seja qual for a necessidade. Uma ideia linda para pacientes que estão lidando com o câncer ou para qualquer pessoa que está sofrendo com a queda de cabelo. As bibliotecas não só permitem o uso das perucas a quem não poderia pagar por elas como também disponibiliza a variedade, para diversos estilos e penteados, em poucos minutos. Dois lugares que oferecem o serviço são o Pink Place, em Londres, e a Hunter Breast Cancer Foundation, na Austrália.

7 – Bibliotecas Digitais

Com a ascensão da tecnologia, veio o eBook e o iTunes. Quando no passado a gente só podia visitar uma biblioteca tradicional para pegar emprestadas nossa dose de literatura, já tem um tempo que é possível fazer isso online – apesar de que, na minha opinião, o digital nunca vai substituir o prazer que é ler direto de um livro ou revista. Mas o digital ganha disparado, claro, na alta compilação de materiais em um pequeniníssimo espaço.

Voltando às bibliotecas digitais, elas permitem que os leitores acessem um e-reader e escolham entre uma vasta seleção de livros, ou acessem coleções diretamente em PCs, laptops ou tablets. Em San Antonio, Texas, EUA, existe a BiblioTech, com uma coleção de eBooks, áudio-livros, revistas digitais e jornais, bem como recursos de aprendizagem ativa e etc. A popularidade das bibliotecas digitais está em ascensão, com universidades em todo o Reino Unido digitalizando o material de suas coleções para os alunos acessarem. Então, finalmente, a biblioteca e a internet oficializaram sua união, gerando frutos extremamente enriquecedores.

Aqui no Brasil, você já deve conhecer o Tem Açúcar mas não custa relembrar que eles têm feito um trabalho incrível para aderir já: é uma plataforma de empréstimos e doação de coisas entre vizinhos.

E sem dúvidas há muito mais vindo por aí!

Compartilhe esta história

Sobre Bruna Miranda

Jornalista e escritora, se inspira na busca por um viver mais consciente e significativo e é idealizadora do Review e da revista Guia Slow Living. Percebe o slow como ...

Publicações Relacionadas