Grupo de moda luxo faz parceria sustentável com a London College of Fashion

Por Bruna Miranda

Publicado em , , | Tags : , , , , , , , ,

O conceito ecofriendly ganha novo (e enorme) impulso na moda em Londres. O grupo de luxo Kering – a casa de marcas como Saint Laurent, Balenciaga, Stella McCartney, Gucci, Bottega Veneta e Alexander McQueen – fechou uma parceria de cinco anos com a London College of Fashion para incentivar o design de moda sustentável entre os seus alunos.

Todos os anos o grupo vai premiar, como parte do Prêmio Kering para a Moda Sustentável, vinte mil libras em bolsas de estudos para dois estudantes que comprovarem suas credenciais ecológicas e éticas. Os vencedores também vão participar de estágios com as marcas do grupo. A competição é anual e aberta a todos os estudantes de moda da instituição, em design, gestão e comunicação.

Foto: Business of Fashion

Franҫois-Henri Pinault. Foto: Business of Fashion

O CEO da Kering, Franҫois-Henri Pinault, reconhece que a ligação entre a sustentabilidade e moda de luxo pode não ser imediatamente óbvia. “Mas eu diria que, pela própria natureza da criatividade e da capacidade de definir tendências inatas da nossa indústria, a moda pode ser um veículo poderoso para ilustrar novas e atraentes soluções para um mundo mais sustentável”, afirmou ao jornal britânico The Telegraph, ao inaugurar a parceria.

As marcas e o próprio grupo vêm aprimorando suas abordagens para a sustentabilidade, considerando-a um fator crucial para o futuro. Como por exemplo, a Gucci introduziu maneiras de curtir o couro que não recorrem a metais pesados. Stella McCartney dispensa apresentações em suas famosas coleções éticas que não usam peles ou couros animais, e tem aprimorado suas pesquisas em novas matérias primas. A Kering desenvolveu também o Materials Innvation Lab, um centro dedicado à pesquisa e desenvolvimento de tecidos inovadores e sustentáveis para serem usados pelas marcas.

Stella McCartney Spring/Summer 2015

Stella McCartney Spring/Summer 2015. Foto: Yahoo

Pinault acrescentou: “Em minha opinião, nada é mais importante do que fornecer a estrutura para educar e inspirar a próxima geração para agir e tornarem-se os agentes das mudanças que teremos que enfrentar em desafios futuros. E, se fizermos isso direito, eles vão surgir com um talento criativo que visa não apenas a criação de beleza, mas também mostrando a todos nós como a beleza, o design, a criatividade, a inovação e a sustentabilidade podem coexistir”. E finaliza: “A sustentabilidade é um assunto de todos. Acreditamos nisso não só porque é a coisa certa a se fazer, mas porque o negócio sustentável é um negócio inteligente. As empresas que consideram seus impactos sobre o meio ambiente e a sociedade e reorientam suas práticas para entregar não só valor financeiro, mas também valorizando de forma mais ampla a natureza e as pessoas, irão prosperar no futuro. E, inversamente, as empresas que enterram a cabeça na areia e pensam que podem continuar ‘como de costume’ simplesmente não vão durar”.

Compartilhe esta história

Sobre Bruna Miranda

Bruna é empreendedora e jornalista, idealizadora da plataforma Review e da revista impressa Guia Slow Living, e está experimentando uma vida nômade pelo Brasil. É movida pelo que é atemporal ...

Publicações Relacionadas

Trackbacks/Pingbacks

  1. O ano da moda sustentável | Review Slow Living - 3 de março de 2017

    […] 2014 foi um ano muito positivo. Lentamente sim, mas em todo o mundo a indústria da moda acordou e começou a levar a sério suas questões ambientais e sociais, onde a ética e sustentabilidade finalmente se tornaram uma prioridade para uma série de empresas – das pequenas que já nasceram com essa proposta aos influentes conglomerados de luxo (que fizeram, por exemplo, uma parceria com renomados cursos de moda para difundir a sustentabilidade). […]

Deixe uma resposta

Comentário