Slow Fashion: o que é esse movimento, que veio para ficar, e transformar

Por Bruna Miranda

Publicado em , , , | Tags : , , ,

the_slow_fashion_movement_notjustalabel_696125638_0

Foto: notjustalabel

O slow não é um conceito que vai e vem. Na moda, é um movimento sustentável, uma alternativa à produção em massa, que vem ganhando força e veio pra ficar. Foi criado em 2008 pela inglesa Kate Fletcher, consultora e professora de design sustentável do britânico Centre for Sustainable Fashion, inspirado no movimento Slow Food. Assim como em relação à nossa alimentação, ele incentiva que tenhamos mais consciência dos produtos que consumimos, retomando a conexão com a maneira em que eles são produzidos e valorizando a diversidade e a riqueza de nossas tradições.

Sabemos que a indústria mainstream da moda depende dessa produção em massa, onde oferecem preços muito baixos e inúmeros lançamentos e coleções. Tudo em um tempo curtíssimo – do processo de design (e das réplicas das tendências apresentadas nas passarelas) para as lojas. E o objetivo é para facilmente nos seduzir a comprar bem mais do que precisamos. Só que esse consumo excessivo, como já falamos antes, traz um preço oculto para o meio ambiente e para os trabalhadores da cadeia de produção.

fast fashion x slow fashion

Imagem Reprodução

A moda slow representa todas as coisas “eco”, “ética” e “verdes” em um movimento unificado. Carl Honoré, autor do livro “In Praise of Slowness” (“Devagar”, na versão em português), diz que a “abordagem lenta” intervém como um processo revolucionário no mundo contemporâneo, pois incentiva a tomada de tempo para garantir uma produção de qualidade, para dar valor ao produto e contemplar a conexão com o meio ambiente. (Leia mais sobre o Movimento Slow, como um todo, e o Slow Living).

A moda slow emerge então incentivando a consciência ética. Seus valores não são destinados a serem únicos para todo tipo de solução, mas podem ser adaptados, estimulando a criatividade.

Um olhar abrangente e holístico: A moda slow incentiva que possamos reconhecer, de vez, que os impactos de nossas escolhas (de consumo, principalmente) afetam o ambiente e as pessoas. Assim como as decisões dos produtores, designers, fabricantes e varejistas, todos interligados ao sistema ambiental e social, em que podem escolher gerar impactos positivos.

Menos consumo: A moda slow questiona a ênfase do fast fashion na imagem e no novo, no lugar da manutenção das roupas que já temos. Sugere então uma ruptura com esses valores e objetivos que são baseados apenas no crescimento. Incentiva um modo de pensar, agir e consumir com os clássicos “qualidade sobre quantidade” e “menos é mais” – além de resgatar o valor das roupas removendo a imagem da moda como algo descartável e o consumo como uma fonte (infinita e impossível) de superação de frustrações.

the_slow_fashion_movement_notjustalabel_645489269

Por uma indústria que valoriza as pessoas, o meio ambiente, a criatividade e o lucro em igual medida – a moda como uma força para o bem. (Fashion Revolution). Imagem: notjustalabel

Diversidade: Produtores da moda slow se esforçam para manter a diversidade ecológica, social e cultural. Modelos de negócios diversificados e inovadores são incentivados: dos designers independentes às lojas de segunda mão, bazares e etc, todos reconhecidos no movimento do slow fashion. Manter vivos os métodos tradicionais de fabricação, como o feito à mão e as técnicas de tingimento naturais, além da história por trás de cada peça de roupa, também fornecem a vitalidade e o significado para o que vestimos.

O “lento” do slow não é pensado como velocidade. Mas sim numa visão de mundo diferente, que promove o prazer da variedade e da importância cultural. Porque se tem algo que a globalização da moda causou é que tudo ficou muito parecido e homogêneo, não é? Todo mundo se vestindo praticamente igual. Culturas lindas e únicas se desfazendo, como por exemplo as vestimentas da Índia e da África sendo substituídas pelas mesmas roupas ocidentais. O conceito desafia então essa obsessão da moda rápida com a produção em massa e o estilo globalizado e promove a diversidade e a democratização da moda.

b2d14bd9e060c4dcc64d52a384f9791f

Foto: Reprodução Pinterest

Construção de relacionamentos: Construir relacionamentos entre produtores e co-produtores é uma parte fundamental do movimento. Relações de confiança entre criadores e consumidores de moda só  são possíveis em escalas menores.

Desenvoltura: As marcas de slow fashion se concentram na utilização de materiais e recursos locais, sempre que possível, e tentam apoiar o desenvolvimento das empresas e talentos locais.

Manter a qualidade e beleza: Priorizar um design clássico sobre as tendências passageiras contribui para um tempo de uso muito maior das nossas roupas! Uma série de designers de slow fashion garante a durabilidade usando tecidos de alta qualidade, oferecendo cortes tradicionais e criando belas peças atemporais.

Rentabilidade: O preço das roupas reflete seu custo real. Os preços são muitas vezes maiores porque eles incorporam recursos sustentáveis e salários justos. Mas é só pensar no número de vezes que iremos usar essas roupas e nos seus incomparáveis caimento e qualidade que vemos que o investimento vale muito a pena!

Praticar a consciência: Isso significa tomar decisões baseadas em paixões pessoais, personalidade e estilo próprios. Uma consciência da conexão com os outros e com o meio ambiente e a vontade de agir de forma responsável. Dentro do movimento slow, muitas pessoas amam o que fazem e aspiram fazer a diferença no mundo de uma forma criativa e inovadora, não importando o tamanho de seu alcance. O que tem mesmo significado é o impacto positivo em si mesmo e refletido ao seu redor.

Leia também: Praticando o vestir, slow, no dia a dia.

Fonte: Not Just a Label

SlowFashion

Compartilhe esta história

Sobre Bruna Miranda

Desde que meu armário coube na mala busco a leveza abundante dos essenciais, dos atemporais, da soma de resgates e inovações.

Publicações Relacionadas

31 Thoughts to Slow Fashion: o que é esse movimento, que veio para ficar, e transformar

  1. Teka Mendes Responder 9 de março de 2016 at 12:15

    Boa tarde,

    Adorei o artigo, me fez refletir muito sobre os meus hábitos de consumo.
    Gostaria de saber se há alguma loja que pratica o slow fashion em São Paulo. Quando digo pratica, me refiro aos valores justos e recursos sustentáveis.

    Beijões

    #
  2. Tânia Neiva Responder 26 de novembro de 2015 at 14:35

    Cada vez mais o Slow Living se torna uma necessidade. Como designer de moda, a minha consciência sempre pesava quando eu me via inserida na indústria do fast fashion, até que tomei uma decisão e fiz minha opção de aderir ao slow fashion. Hoje tenho menos retorno financeiro, mas uma consciência limpa e uma carga de trabalho menor. Estou montando um pequeno atelier de roupas para bebês e assim, posso passar mais tempo com a minha filha de 2 anos.
    http://itsagirl.com.br/

    #

Trackbacks/Pingbacks

  1. Do que comemos ao que vestimos | Review Slow Living - 20 de maio de 2020

    […] As motivações do Slow Food chegaram aos guarda roupas pela inglesa Kate Fletcher, professora do Centro de Moda Sustentável do Reino Unido, em 2007. Não como mais uma tendência passageira, comum à área, mas sim um movimento de moda sustentável que veio para ficar, o Slow Fashion. […]

  2. Identidade e aproximação com o público: Somos Fio. – URBANIZE – SE - 16 de novembro de 2019

    […] positivamente através do vestir! Além disso, a Fio se preocupa com o meio ambiente, e através do slow fashion, buscam alternativas sócio e ambientalmente sustentáveis para a moda atual. Um nome que tem o […]

  3. Espetáculo da Cia Municipal de Dança de Caxias do Sul com trilha do músico Thiago Ramil - 27 de abril de 2018

    […] estampadas em diversos produtos com materiais VEGANOS produzidos de forma sustentável dentro da CULTURA SLOW. Ela nasce para semear arte e atitude com respeito às diferenças e consumo consciente. Suas […]

  4. A Indústria da Moda Está a Matar o Planeta - 21 de março de 2018

    […] ; https://www.nytimes.com/2017/10/11/fashion/what-is-slow-fashion.html ; https://reviewslowliving.com.br/2014/09/24/o-que-e-o-slow-fashion/ ; https://www.notjustalabel.com/editorial/slow-fashion-movement ; […]

  5. Marcas de moda que estão ressignificando a Black Friday – Portal de Conteúdos - 20 de novembro de 2017

    […] Antes de mais nada, deixa eu te explicar: slow fashion é um movimento de moda que incentiva um consumo mais consciente – social e ecologicamente – e ético. Você pode entender mais sobre isso aqui. […]

  6. Jovem de Araraquara aposta no slow fashion com brechó online - 3 de outubro de 2017

    […] Slow fashion: você já ouviu falar? Não? Então procure mais o assunto, pois o termo veio para ficar. Slow Fashion é uma prática, um conceito de moda mais consciente, criado em 2008 pela inglesa Kate Fletcher, consultora e professora de design sustentável do britâni…. […]

  7. Brechó Manamour e o slow fashion – 4 ao ponto - 18 de setembro de 2017

    […] do fast-fashion, o slow-fashion (se quiserem dar uma olhada sobre o assunto) busca trazer consciência acerca do consumo desenfreado de roupas e acessórios e vem ganhando […]

  8. O ano da moda sustentável | Review Slow Living - 28 de julho de 2017

    […] movimento Slow Fashion também ganha destaque e comprova que a moda pode ser sustentável de várias maneiras, a começar […]

  9. Por um jardim mais slow | Review Slow Living - 28 de julho de 2017

    […] Slow Living! Aqui no Review você já deve ter visto alguns deles, como por exemplo nas áreas da moda, alimentação, comportamento, beleza […]

  10. Slow Fashion: a nova tendência de consumo? - 25 de julho de 2017

    […] O que é Slow Fashion? segundo o site “Review – Slow Living” […]

  11. Depois Dos Quinze | Três vídeos que vão te apresentar ao slow fashion - 13 de julho de 2017

    […] à produção em massa e está em pauta há algum tempo – desde 2014 já encontramos links interessantes sobre isso! Para deixar tudo mais claro, decidimos dividir com vocês estes três […]

  12. Consciência, expressão e autoestima: qual o lado positivo da moda? - 4 de julho de 2017

    […] cultura do reaproveitamento busca isso e ganha cada vez mais destaque. O Slow Fashion, por exemplo, propõe uma diminuição no consumo, através da produção de peças com maior […]

  13. Um papo sobre: Slow Fashion X Fast Fashion - Colírio de Amor - 16 de maio de 2017

    […] sustentável do britânico Centre for Sustainable Fashion, inspirado no movimento Slow Food” [FONTE] Essa ideologia visa a quebra de produção em massa, estimula a pensar de onde e como foi feito o […]

  14. SIM STORE - 7 de fevereiro de 2017

    […] STORE é um e-commerce de moda feminina que defende o conceito slow fashion e tem como base o estilo minimalista. Todas as peças são confeccionadas em ateliês localizados […]

  15. Quem fez minhas roupas? - 19 de dezembro de 2016

    […] Você pode saber mais sobre o conceito slow fashion aqui. […]

  16. Na moda, sem gastar muito – Mosaico - 3 de outubro de 2016

    […] conceito de usados, a volta dos atelieres de moda são grandes aliados para incentivar o mercado slowfashion, ou seja, de consumo consciente e procura por peças duráveis. Alguns nomes da moda caxiense […]

  17. SLOW FASHION PARA CRIANÇAS! 4 MARCAS DE ROUPAS SUSTENTÁVEIS INFANTIS INCRÍVEIS – LAB Fashion - 8 de setembro de 2016

    […] então estimular a compra de pequenos produtores, no artesanal e no mercadoSlow Fashion brasileiro, hoje apresentamos 4 marcas de roupas sustentáveis infantis incríveis que vieram […]

  18. O justo é o novo preto – MALHA - 28 de julho de 2016

    […] (2) http://www.malha.cc/midia/ (3) http://radioibiza.com.br/blog/pra-destacar/malha/ (4) http://reviewslowliving.com.br/2014/09/24/o-que-e-o-slow-fashion/ (5) […]

  19. A moda e a sustentabilidade - 4 de julho de 2016

    […] o querido slow fashion entrando em […]

  20. Dicas de Ouro do CDL Zoom Moda como Negócio | 1º Portal de Moda do RS - 1 de julho de 2016

    […] Slow Fashion: as pessoas estão cada vez mais buscando produtos que sejam duradouros, em detrimento da busca pelo novo, que, por muito tempo foi característica da moda. “O design in ganha força sobre made in. Sob essa ótica existe uma tendência de desaceleração.” […]

  21. SPFW N°41 – DIA 2 – amaranthine lab - 27 de abril de 2016

    […] descritas pela estilista como “topografia dos sonhos”. Paula é representante do Slow Fashion, suas criações e seu estilo de vida são apreciados por quem se preocupa com um mundo fashion […]

  22. Slow Fashion X Look Minimalista – Juliany Braga - 20 de março de 2016

    […] (via Slow Living) […]

  23. Diminuindo o ritmo: a revolução do slow living | Review | Slow Living - 15 de janeiro de 2016

    […] Leia também nossos textos mais acessados sobre o slow life e o slow fashion. […]

  24. O que é o Slow Fashion? – Lab Fashion Blog - 12 de janeiro de 2016

    […] Fonte: Review Slow Living […]

  25. Consumo Consciente - +Alma - 11 de dezembro de 2015

    […] http://reviewslowliving.com.br/2014/09/24/o-que-e-o-slow-fashion/ http://exemplarid.com/2014/05/slow-desacelerar-o-passo-slow-down-the-pace/ […]

  26. Slow Fashion – moda sustentável para crianças | It's a Girl - 27 de novembro de 2015

    […] possível. Desacelerar é a melhor opção para a nossa saúde e qualidade de vida. No site Review Slow Lifestyle encontramos a definição de movimento Slow […]

  27. Top 3 Inspirações da Moda Consciente | bazardapraca - 30 de outubro de 2015

    […] ideia do armário cápsula remete ao movimento do slow fashion, no qual refletir sobre suas escolhas de consumo e de posse fazem toda a diferença! Essa ideia, […]

  28. SLOW FASHION | BROG DAS MYGAS - 5 de agosto de 2015

    […] saber mais um pouco sobre Slow Fashion? confere essa matéria do blog reviewslowliving sobre o […]

  29. Para A Vida, Não Para Os Aterros | Review – Estilo Sustentável & Slow Lifestyle - 18 de março de 2015

    […] geniais, as campanhas  que, ao mesmo tempo em que divulgam a marca e seus conceitos, incentivam o slow fashion e o consumo […]

Deixe uma resposta

Comentário